Categorias do Impolítico

Editora: AUTENTICA (veja mais livros desta editora)
Autor(es): Roberto Esposito (veja mais livros deste autor)

por: R$ 64,90 Em 2x de: R$ 32,45 No boleto: R$ 64,90 para Associados CAASC
por: R$ 48,68

Comprar
Pré-venda: Lançamento previsto para 29/03/2019.
Consulte aqui o valor do frete e prazo de entrega do produto
Opção de parcelamento via cartão de crédito
  • 1x de R$ 64,90 sem juros
  • 2x de R$ 32,45 sem juros
Avalie:

Ficha técnica

Código de barras:
9788551304211
Dimensões:
1.00cm x 15.50cm x 22.50cm
Edição:
1
Editora:
AUTENTICA
ISBN:
8551304216
ISBN13:
9788551304211
Número de páginas:
320
Peso:
350 gramas
Encadernação:
Brochura

Sinopse

A atual afasia da linguagem política, a crescente diluição do pensamento político nas certezas inabaláveis nos números da political science, nossa dificuldade em representar a realidade, não derivam apenas das mudanças ocorridas no cenário político internacional nos últimos cem anos. Elas derivam de uma série de dificuldades relativas à própria categoria de “representação” e demais categorias modernas. A noção de “impolítico” construída neste livro desenha seu sentido a partir do esgotamento das categorias políticas modernas, que se tornaram incapazes de dar voz a perspectivas radicais genuínas. O impolítico é não apenas o oposto do político, mas sobretudo seu limite exterior. Se a forma-Estado contemporânea é ao mesmo tempo ‘teologizada’ e despolitizada, o impolítico é a borda a partir da qual podemos vislumbrar uma trajetória longe de todas as formas da teologia política e das tendências despolitizantes da modernidade. Dessa maneira, a perspectiva do “impolítico” não se confunde com uma atitude apolítica ou antipolítica. O impolítico é o político considerado desde sua fronteira exterior. É sua determinação, no sentido em que ele define os “termos”: as palavras e seus confins. O debate proposto aqui subtrai cuidadosamente algumas fronteiras metodológicas artificialmente erigidas entre ciência, teoria e filosofia política, teologia e literatura, através de um recurso maciço a autores decididamente indisciplinares, como Maquiavel, Hobbes, Schmitt, Foucault, Bataille, Arendt, Simone Weil, Canetti, entre outros. O caminho forjado por essa análise é um verdadeiro desafio para o léxico político moderno, mas ao mesmo tempo uma contribuição à nossa compreensão de suas categorias.